Categorias Eventos

INVISÍVEIS, ELAS EXIGEM ESPAÇO

Publicado em
Foto: Leonardo Rodrigues

Se a força de trabalho do país registra uma presença feminina de 60%, por outro lado a porcentagem de mulheres negras em cargos executivos não atinge 0,4%, conforme pesquisa do Instituto Ethos e Banco Interamericano de Desenvolvimento.

A sub-representação de mulheres negras e negros nos cargos diretivos das grandes corporações, não só é uma grave distorção social e preconceito como também uma perda de talentos que atrasa o desenvolvimento do país.

Para discutir a invisibilidade das mulheres negras em cargos de liderança e uma mudança de cenário, evento promovido pela Avon e Wunderman Thompson abordou estratégias para a construção coletiva de ações para acelerar a carreira e aumentar a presença de mulheres negras em cargos de liderança no mundo corporativo.

A Avon tem construído um conjunto de ações para promover objetivamente a inclusão e o desenvolvimento de mulheres negras na empresa com a adoção de ações afirmativas que promovam igualdade de oportunidades.

A Wunderman Thompson, por sua vez, é criadora do programa de equidade racial 20/20, que tem como meta preencher 20% do quadro de funcionários de áreas estratégicas por talentos negros até 2020.

“Empresas mais diversas são mais capazes de receber e reter talentos, melhorar e ampliar relação com seu público, construir um clima de respeito e valorização dos diferentes perfis de funcionários e ser mais eficiente na tomada de decisões, isso leva a um ciclo virtuoso de retornos crescentes, inovação e alta performance”, disse Danielle Bibas, VP de Marcas, Comunicação e Cultura Corporativa.

“Precisamos acabar com esse mito de que não existem mulheres negras preparadas para assumir cargos de liderança nas empresas porque elas existem, estão lá. Só precisam sair da invisibilidade na qual foram colocadas pelo racismo estrutural que moldou a história do Brasil”, afirmou Andrea Assef, diretora de Comunicação e Marketing da Wunderman Thompson.

Entre as líderes femininas convidadas para o debate estiveram Helena Bertho (Coca-Cola), Raphaella Martins (Globo), Christiane Silva (Google), Patricia Santos (Empregueafro) e Adriana Barbosa (Feira Preta).