Categorias Sem categoria

AS MARCAS SE DEFINEM PELO QUE FAZEM

Publicado em
Ho: falar com quem não vê comercial na TV

Como falar com as pessoas que mudam de canal na hora do break comercial? Foi para responder essa questão e apresentar ao mercado anunciante a opção de utilizar a comunicação como serviço em vez de simplesmente ser um agente de vendas que Adrian Ho fundou em 2007 a Zeus Jones em Minneapolis. Antes, esse profissional de Planejamento Estratégico já havia dirigido departamentos em importantes agências norte-americanas como a Fallon e a Goodby Silverstein. Nesses cinco anos, através de seu trabalho vem provando que as marcas são definidas por aquilo que fazem e não pelo que dizem. Ho, um dos palestrantes da 25ª Semana Internacional da Criação Publicitária, da Editora Referência, falou na noite desta terça-feira (27) para o público no auditório Raul Cortez da Fecomércio, em São Paulo, convidado pela ESPM. Como o mercado anunciante recebeu a idéia da Zeus Jones, de quem é a iniciativa dos projetos? “Recebemos um briefing tradicional, com os problemas comuns a qualquer marca. A partir daí nossa proposta se diferencia e visa solucionar as questões com idéias inovadoras”, explicou. Segundo ele, uma campanha de varejo baseada numa oferta, num preço acessível, por exemplo, pode funcionar num determinado momento, mas não é duradoura. Em poucos meses o anunciante tem que fazer outra.  “Nossa proposta é criar ações de serviço às pessoas, capazes de fazer com que a marca fique gravada na memória”, disse. O publicitário apresentou alguns cases de sua agência. Por exemplo, um projeto para a rede Nordstron que oferecia wi-fi gratuito aos clientes nas lojas com mensagens e informações sobre produtos. Ou um espaço digital criado para General Mills, que estimulava as pessoas com receitas gastronômicas e ligava as preferências a ofertas de ingredientes disponíveis em lojas próximas à residência do consumidor. Também uma campanha para a ONG RAINN que combate o abuso sexual conscientizando as pessoas de que as vítimas jamais são culpadas pelo ataque, independente de seu modo de vestir ou comportamento.