1
 
Categorias Prêmios

DOIS BRASILEIROS NO TOP 100

Publicado em

“Let Her Run” e “Árvore Refugiada”, ambos da agência Africa, são os únicos trabalhos do país eleitos no Top 100 de 2020 da Source Creative plataforma criativa e de produção publicitária, da inglesa “shot”. Além de comerciais e campanhas, a lista inclui videoclipes, projetos de branded content e curta-metragens.

“Let Her Run” é uma criação para o SporTV, produzida pela Santeria e dirigida por Rafa Damy, e “Árvore Refugiada” um trabalho criado para o Climate Reality Project Brazil, produzido pela Hungry Man e dirigido por JC Feyer.

O movimento “Let Her Run” é uma coalizão apoiada por ex-atletas, cientistas desportivos e acadêmicos, em resposta à discriminação de gênero nos esportes e trata do constrangedor teste de feminilidade aplicado durante anos pelo do Comitê Olímpico.

Importantes personalidades do esporte integram o movimento como a ex-jogadora de vôlei Jaqueline Silva, primeira mulher brasileira medalhista de ouro em Jogos Olímpicos, e Kátia Rubio, professora da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (USP).

Desde maio de 2019, a World Athletics, ex-IAAF, estabeleceu novos limites para os níveis de testosterona em atletas do sexo feminino. Hormônio produzido naturalmente por homens e mulheres.

Mesmo assim, somente mulheres são submetidas a essa avaliação. O antigo Sex Testing teve muitas faces desde os anos 1930 e continua causando danos psicológicos às meninas que só querem correr.

O filme “Let Her Run” destaca o dramático teste de comprovação de sexo na vida real dos anos 60, chamado de “nude parades”, por que muitos atletas passaram para provar que eram realmente mulheres.

E ainda nos dias de hoje, ameaça a trajetória de várias corredoras, inclusive as três medalhistas dos 800m nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016: Francine Niyonsaba, do Burundi, Margaret Wambui, do Quênia, e a bicampeã olímpica Caster Semenya, da África do Sul. Esta, com apelação foi negada no dia 8 de setembro de 2020, no Supremo Tribunal da Suíça, só competirá se usar medicação para reduzir seu nível de testosterona.

“Árvore Refugiada’, por sua vez, foi criado como protesto pelo desmatamento e queimadas que destreoem biomas no Brasil. No filme assinado pelo Climate Reality Project, um Jatobá, uma das espécies ameaçadas de extinção, pede refúgio em embaixadas.

Ao mostrar uma árvore “pedindo” refúgio, a ideia é tentar mobilizar a opinião pública mundial sobre a aceleração das agressões à maior floresta tropical do mundo.