Categorias Agências

AFRICA FOCA RELEVÂNCIA CULTURAL

Publicado em
Ellen: provocação criativa

Depois de anunciar a Madagascar, de AdTech e Performance, a Africa apresenta uma nova estrutura orientada à potencialização da relevância cultural entre as marcas que atende. “Triple C” faz parte do movimento de avanço na aceleração digital da agência.

Reconhecida por sua atuação multidisciplinar associada ao digital, marketing science, mídia e estratégia sob uma perspectiva criativa em seus 16 anos de carreira, Elen Posse chega à Africa assumindo a liderança da nova área e tem a missão de orquestrar as equipes de Culture Insights, Comms Plannings e Content Tendencies.

A construção dessa área foi encabeçada pelo Chief Strategy Officer  Aldo Pini, que identificou a necessidade de integrar em uma mesma equipe diferentes especialistas para a construção de uma visão estratégica mais ampla.

“O papel da área é codificar cultura, entender movimentos, anseios e fazer com que marcas usem o conteúdo nas mais diferentes formas. Uma ideia boa tem que ser fluída e a missão é ajudar nisso, pensando também em canais como distribuição e não como formato”, comenta Pini.

Cada disciplina que compõe o núcleo abarca uma equipe de profissionais especialistas em comportamento e estrategistas digitais que tornam o processo de pesquisa e aplicação de insights vivo e orgânico.  Ao todo, serão quatro frentes de atuação: a criação de produtos diretos, produtos internos, envolvimentos personalizados e consultoria interna com os diversos times da agência.

Para Ellen, a ambição é codificar um estilo diferente e eficaz de pensar comunicação, tendo como base o universo complexo que vivemos.

“Nossa atuação sempre terá como ponto de partida a provocação criativa, pautada em relevância e sinergia digital. Pensando no digital não apenas como um canal de mídia, mas sim pela ótica de movimentação cultural proporcionada com a acessibilidade e dinamismo do meio, que acaba gerando mudanças significativas na sociedade e demandando, com urgência, novas formas de codificarmos esses sinais para termos efetivamente relevância cultural nas estratégias de comunicação”, explica.