Categorias Polêmica

DENÚNCIA ANÔNIMA AFASTA AGÊNCIA

Publicado em

Acusação no perfil Moda Racista leva Riachuelo a suspender atendimento publicitário pela Big Man

Choate: 30 anos na C&A, 10 na Riachuelo

Agência da rede de lojas Riachuelo desde 2009, a Big Man foi afastada temporariamente da coordenação de campanhas da marca.

A decisão foi tomada a partir de duas denúncias anônimas de racismo ao presidente da agência, Ralph Choate, na conta “Moda Racista”, no Instagram.

O publicitário, que por 30 anos foi o responsável pelo Marketing da C&A e criador do personagem “Sebatian”, ator, cantor e dançarino negro que marcou a publicidade da rede multinacional holandesa no Brasil.

Sebastião Aparecido Fonseca, rebatizado “Sebastian” estreou nas campanhas da C&A em 1989, e foi personagem da maioria das campanhas da cadeia varejista nos anos 90 e início dos anos 2000.

Com quase 27 mil seguidores, o perfil @ModaRacista já divulgou uma série de denúncias de racismo no mundo da moda, contra nomes de destaque no setor, como Gloria Coelho e Reinaldo Lourenço.

Nesses casos, porém, os denunciantes tinham nome, rosto e cargo. Quanto a Choate, as acusações partiram de dois funcionários não identificados da Riachuelo.

O assunto ganhou proporção pela repercussão do assunto no site da revista “Veja”.

Segundo esses funcionários, o publicitário só colocava negros em campanhas a contragosto. Também se referia a determinadas pessoas como “gorda”, “viado” e “preta”, de forma pejorativa, em reuniões de trabalho, conforme relataram.

Sebastian: criação de Ralph

A Riachuelo informou à “Veja” ter suspendido na quarta-feira (10), o contrato com Choate, instaurando uma investigação interna sobre as denúncias.

Como era de se esperar, a rede afirmou discordar de eventuais condutas como as relatadas envolvendo a agência Big Man. Em seu comunicado à publicação, a empresa afor,PI que esse comportamento não representa os valores da Riachuelo, que tem como princípio central o respeito de forma igualitária, valorizando a diversidade, inclusão e a representatividade entre seus funcionários.

Procurado por “Veja”, Choate refutou as acusações sobre comportamento racista e homofóbico. “Estive por trás da criação e produção de mais de mil filmes publicitários durante este período e eles talvez sejam a maior prova de que a diversidade jamais foi relegada a um segundo plano por mim”, disse.

“Ao longo de 40 anos de profissão, tendo participado de inúmeras reuniões para discutir o elenco de produções, e diante da acusação que me fazem, é possível que, mesmo sem intenção, eu tenha ofendido alguém com minhas palavras. Se o fiz, com a mais profunda sinceridade, peço desculpas e garanto que redobrarei minha atenção para que isso jamais se repita”, concluiu.