Categorias Entrevista

SAIR DO JEITO QUE ENTROU

Publicado em
Edgard: vamos sair sem sequelas

Fundador e CEO do G8 Group, que inclui as produtoras VAPT Filmes e Madre Mia, Edgard Soares Filho, afirma que a pandemia proporcionou um aprendizado ao mercado de como atuar em meio à uma grave crise.

Mas garante que suas empresas, mesmo aquelas que tiveram seus serviços paralisados, de aluguel de equipamento e cenário, vão sair da situação sem sequelas.

Nesses pouco mais de dois meses de quarentena, através de um trabalho ativo junto ao mercado, propondo soluções remotas a agências e anunciantes, foram 11 comerciais produzidos.

Além disso, não só conseguiu manter seu quadro de funcionários fixos como também utilizou parte das duas centenas de freelancers que contrata para abrir câmeras. A esses entregou, no início do isolamento, cestas básicas para que pudessem seguir a vida com suas famílias.

Nesta entrevista Edgard fala do sistema de gestão responsável pela manutenção de um quadro próximo da normalidade após mais de 70 dias de distanciamento social.

O que a VAPT tem oferecido ao mercado para ter se destacado com produções adequadas ao isolamento social?

Desde o início da quarentena, a VAPT se propôs realmente a ser co-partícipe junto com as agências de soluções criativas para enfrentar esse momento. Não tivemos uma postura passiva, entramos em contato com as agências, com os criativos, colocamos à disposição nosso grupo de diretores sempre com o objetivo de encontrar soluções para o cliente passar a mensagem da melhor forma possível. Tudo isso obedecendo todos os critérios sanitários desta pandemia. Isso foi fundamental até agora para termos produzido e alcançado êxito.

No início da quarentena a produtora anunciou a chegada do Kiska Kaysel. Mesmo em home office já houve resultados?

O Kiska é um excelente profissional, respeitado, admirado que tem um grande network. Obviamente que o trabalho dele ficou mais difícil nesse momento, por não ter o corpo a corpo, não poder visitar as agências. Mas ele está estabelecendo contatos com as agências, trazendo orçamentos para a produtora. De nossa parte existe um entendimento de que o profissional é muito qualificado.

Como segurar a ansiedade da equipe com a proibição de produções externas?

É uma situação muito difícil que estamos vivendo. E é uma preocupação muito grande principalmente para os freelancers. Temos aproximadamente 200 profissionais que trabalham em nossos jobs e que realmente só tem remunerações com abertura de câmera. Nós oferecemos mês passado cestas básicas para todos eles. Esta é uma forma de minorar o sofrimento destas pessoas que realmente foram atingidas em cheio pelos efeitos da pandemia.

 Que ações a produtora realizou para garantir uma remuneração mínima e ajuda a seus funcionários?

Para toda nossa equipe tentamos passar tranquilidade e respaldo de que o trabalho continua e que nós entendemos esse momento. Nossa mensagem é clara, podem contar conosco.

Como o G8 Group vem se mantendo considerando a falta de trabalho para empresas com atividade suspensa?

Dentro do G8 nós temos a VAPT e a Madre Mia que vem produzindo e, de uma forma criativa, produzindo bem, diante das circunstâncias. Não podemos reclamar. Temos que ser otimistas diante desta situação. Fizemos boas campanhas para TIM, Caixa, Ministério da Saúde, EMS, Prefeitura de São Paulo, Hyundai, Banco 24Horas entre outras marcas. Agora, em relação as locadoras Big Box e Elite CAM, sofremos o impacto.Afinal, ninguém está locando estúdio, poucas produtoras locam câmeras. Nesse momento entra algo que temos em nosso DNA, a boa gestão. Todas as nossas empresas são saudáveis financeiramente, tem uma gordura para queimar, esse é o perfil do G8 Group. Sempre tivemos um modelo de negócio com rentabilidade e reinvestimos na empresa, mas deixamos uma gordura para queimar e usar em momentos como esse. Então, tanto o Big Box, quanto a Elite CAM estão se mantendo equilibrada e firme neste momento. A Lira, nossa produtora de áudio, tem feitos vários trabalhos e mesmo com todos os profissionais em home office manteve o seu faturamento.

Qual sua expectativa sobre o fim da pandemia e o futuro do mercado?

Acreditamos que essa situação vai durar, pelas últimas notícias, em princípio, até junho. Mas estamos preparados. Estamos na expectativa realmente da abertura e retomada do mercado, mas o mais importante de tudo isso, é o aprendizado. Temos que ter uma gestão eficiente. Posso afirmar que todas as empresas do G8 Group irão sair desta crise como elas entraram, e isso já é uma vitória enorme. Não vamos recuar. Vamos sair desta, se Deus quiser, sem sequelas.