Categorias Mercado

AUDIÊNCIA ALTA, RECEITA BAIXA

Publicado em
Lobato: mais confiança, menos investimentos

A crise bateu na porta da grande e da pequena emissora, diz Cristiano Reis Lobato Flores, diretor geral da ABERT. Representante do setor, ele afirma que durante a pandemia a entidade deve prestar apoio a todos os associados, porém com um olhar especial para as pequenas emissoras de rádio locais.

Milhares de emissoras de rádio do interior dependem exclusivamente de pequenos anunciantes locais, que estão com as atividades suspensas no momento.

Como ele explica, os efeitos da crise na saúde pública começam pela retração do mercado, já que apesar do aumento de audiência em razão da busca por informações e entretenimento, os investimentos publicitários reduziram.

Lobato, ex-gerente jurídico do grupo RBS, atua na Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e Televisão desde 2010. Em 2013 foi nomeado diretor geral.

Como ele diz, com o governo reconhecendo a importância das emissoras de radiodifusão, liverando a livre circulação dos profissionais de comunicação durante o período de quarentena, a radiodifuão teve que expandir a sua atuação através da área jornalística.

Por outro lado, apesar dos problemas, o lado positivo é que pesquisas indicam o aumento significativo do índice de confiança da população em seus serviços.

“Com a crise, foi obrigatória uma adaptação de todos os setores da economia. Não apenas o setor de radiodifusão, mas toda a cadeia da comunicação social, envolvendo anunciantes, agências de publicidade e veículos”, constata.

“No nosso caso, tivemos uma adaptação na programação das emissoras, pois parte considerável da grade voltada ao entretenimento, sobretudo de natureza artística, esportiva e musical, sofreu drástica redução horária e cedeu espaço para o jornalismo”, relata.

Assim, desde que a pandemia do coronavírus se alastrou, a ABERT vem adotando diversas ações para atenuar os efeitos da crise no setor. Enre elas, o pedido de diferimento dos principais impostos federais.

Entre as conquistas, estão o adiamento do Simples Nacional e do FGTS por três meses, a redução de 50% na contribuição para o Sistema S, também por três meses, o adiamento do prazo de pagamento do PIS e  da COFINS de março e abril para julho e setembro.

A ABERT também desenvolveu campanhas e informes e vem apoiando e divulgando campanhas desenvolvidas por parceiros. Em uma delas, “Desinformação Mata”, a entidade lançou vídeo, spot e material gráfico que lembram o papel dos veículos de comunicação na prestação de serviço de interesse público e no combate à desinformação.

Em outra ação, lançada no dia 7 de abril, sob o lema #vamosjuntos, foi disponibilizado amplo material reforçando as orientações de autoridades sanitárias para conter o avanço da doença.

“E pelas dificuldades do momento, também promovemos reduções de nossas mensalidades. Compreendemos que o momento exige a conjugação dos esforços de todos”, diz Lobato.

“Mas pequenas emissoras não tem renda que as possibilitem arcar com os altos encargos de luz, tributários e trabalhistas. São obrigadas a manter a programação no ar, prestando relevante serviço para a população local, que, em muitos casos, tem apenas o rádio como a única fonte de informação”, lembra.