Categorias Televisão

TECNOLOGIA CONTRA A PANDEMIA

Publicado em

Rede Globo disponibiliza potentes computadores de sua área de inovação no combate à Covid-19

Através do seu laboratório de inovação MediaTech Lab, a Globo se junta aos países, empresas e pessoas físicas que estão unindo esforços para barrar o avanço de doenças como o novo coronavírus.

Os computadores da área de inovação da emissora estão apoiando o Folding@Home, iniciativa da Universidade de Stanford ,que realiza simulações computacionais para entender de que modo diversas doenças evoluem e quais os melhores caminhos para combatê-las.

Essa colaboração se insere no método de trabalho que divide o trabalho de cada simulação em partes menores, chamadas unidades de trabalho (work units). Com isso, máquinas ao redor do mundo podem contribuir para o avanço dos projetos de pesquisa elaborados pelos cientistas.

Os computadores do MediaTech Lab, que possuem placas de vídeo de alta performance, estão doando 100% do seu tempo e capacidade de processamento para o projeto.

A ideia se iniciou com a colaboração dos próprios pesquisadores do LAB e, com o passar dos dias, foi ganhando mais máquinas. Os equipamentos já figuram entre os 3% mais bem ranqueados da plataforma, percentual que abrange gigantes da tecnologia e até mesmo algumas universidades renomadas, como a Texas Tech e a Auburn University.

Para engajar mais voluntários da Globo no Folding@Home, a equipe ainda criou um grupo em um aplicativo de mensagens que permite aos colaboradores tirar dúvidas em tempo real e ter acesso a um material completo com todas as orientações para instalar e configurar o programa e aderirem à iniciativa.

Apesar de realizar simulações com uma série de outras doenças, o projeto atualmente está focado nas pesquisas relacionadas ao Covid-19, dada a urgência e gravidade da pandemia.

Ao todo, já são mais de 400 mil voluntários ao redor do globo e, esse interesse crescente em iniciativas sobre o tema fez com que o Folding@Home se tornasse o sistema computacional mais poderoso do mundo, atingindo a marca de 1,5 exaFLOPS ((Floating Point Operations per Second, ou Operações de pontos flutuantes por segundo) ou 1,5 quintilhões de cálculos por segundo.