Categorias Produtoras

DEZ ANOS DE PRÊMIOS E SUCESSO

Publicado em
Dhalia e Betti: futuro plural

Pronta para enfrentar a nova década, a Paranoid, produtora de imagens de Heitor Dhalia e Egisto Betti comemora seu 10º aniversário mirando o futuro como uma casa de produção plural, adaptada à realidade do mercado para atender às transformações decorrentes da tecnologia, das multitelas, do comportamento humano, de uma nova jornada de consumo e da criatividade a serviço dos negócios.

Nesses dez anos, a produtora se manteve relevante no mercado brasileiro devido à sua capacidade de adaptação às mudanças da indústria, a sua busca para manter e renovar talentos e a habilidade para estabelecer um relacionamento colaborativo com as agências.

E para celebrar esse marco, a Paranoid produziu um curta-metragem em formato de animação, dirigido por Daniel Semanas, retratando sua história, permeada por desafios e sucesso. O filme faz um paralelo entre as trajetórias da luz durante a humanidade e da própria produtora.

“Incorporamos no dia a dia da produção o pensamento criativo e unimos a isso nossa força de desenvolvimento e de realização para, em parceria com as agências, dar vida a conteúdos originais. Esses aspectos nos deram a oportunidade de vibrar em sinergia com esse grande momento. Aspectos esses que vão, também, nos guiar rumo ao futuro para oferecer soluções audiovisuais em diferentes territórios”, diz Dhalia.

Fundada em 2009, em São Paulo, a Paranoid vem acumulando uma série de prêmios com dois troféus no Festival de Cannes, D&AD, El Ojo, Clio Awards, FIAP, London International Awards, Profissionais do Ano, Melhor Comercial do Brasil do SBT, Wave Festival, One Show, Ciclope Festival e Effie Awards. Também foi duas vezes Produtora do Ano do prêmio Caboré, após três indicações, e no Gunn Report, de 2013 figurou como segunda mais premiada do mundo.

Seu time de diretores, liderado por Dahlia, é composto por Bel&Ju, Bolovo, Daniel Levenhagem, Edson Oda, Jessica Queiroz, Luis Mermet, Mariana Youssef, Otavio Machado, Paulo Vainer, Sala12 e Vera Egito.

Além disso, representa no país nomes internacionais como Augusto Zapiola, Camila Zapiola, François Vogel, Hernan Corera, Luciano Podcaminsky e Martin Romanella, entre outros. Para evidenciar esse time no mercado, conta ainda com a liderança do head de publicidade, Marcel Weckx, junto a um time de atendimento e de produção experiente. 

Em se tratando de publicidade, aliás, Egisto Betti acredita que a principal evolução do setor, nesses últimos 10 anos, decorreu da revolução digital, começando pelas mudanças de equipamentos até o aprimoramento da pós-produção. “Isso representa uma democratização das tecnologias. A agilidade, a rapidez e a qualidade com que se produz hoje são impressionantes. E a publicidade se beneficiou de toda essa tecnologia advinda do entretenimento para realizar coisas incríveis. “Não há mais limites para a materialização de ideias”, afirma.

Somando-se a isso, a Paranoid também decolou e solidificou seu departamento de entretenimento, estreou nos cinemas quatro longas-metragens e um documentário, e produziu diversos videoclipes, entre outros trabalhos de conteúdo. As produções, impactadas pela consolidação das plataformas de streaming, expandiram as oportunidades para o cinema brasileiro e para produtoras independentes, como a Paranoid.

“As plataformas de streaming são a realidade e o oxigênio que vão fazer nossa indústria crescer e amadurecer. O modelo de negócio desses canais possibilita o lançamento de produções com maior frequência, abrindo portas para os profissionais do cinema nacional”, explica Dhalia.

Atualmente, a Paranoid ainda está à frente da produção da série da HBO, “Todxs Nós”, em parceria com a Coiote. “O entretenimento no Brasil é um ato de amor e coragem. É muito difícil competir com a indústria americana, mas as opções de telas estão aumentando e, junto com isso, as oportunidades. O cinema nacional pode se tornar um bom negócio, com o amadurecimento do nosso mercado e uma conjuntura econômica melhor, que possibilite mais acesso às pessoas”, conclui Betti.