Categorias Datas

OUTUBRO ROSA E ANO COLORIDO

Publicado em
Mônica: um novo “eu”, melhor que o anterior

Mônica Schimenes, fundadora e CEO da MCM Brand Group, grupo de comunicação integrada e atuação nacional e internacional, viveu há 11anos o drama do câncer de mama.

O que parecia ser o fim, porém, foi um importante recomeço, na vida pessoal e profissional.

Além da expertise de 20 anos em gerenciamento de marketing, comunicação e eventos, através do qual conquistou um portfólio sólido de clientes e relacionamentos institucionais, acumula a partir do episódio uma série de ações em parceria com ONGs em favor do empreeendedorismo feminino, a luta pelos direitos da mulher e da comunidade LGBT+ e combate ao preconceito.

Atualmente, a MCM Brand Group atende clientes como IBM Brasil, Stefanini, Red Hat, BASF, Nextel, Dell, Monsanto, Mizuno e Unilever, entre outros.

O câncer ainda é uma doença assustadora, a palavra de ordem é sempre a morte e, com o tempo, percebi que era a maior oportunidade que eu teria de viver, de uma maneira que eu jamais imaginaria se não tivesse passado por isso. Agarrei-me à família, aos meus empreendimentos, comecei a ver a vida sob outra perspectiva”, diz ela.

Aos 33 anos de idade ela recebeu o diagnóstico: “você tem câncer de mama e teremos que extraí-la inteira, pois os tumores estão espalhados”.

“Um ano de tratamento, cheio de dores, invasões, tristezas, cortes, costuras, mutilações e mal sabia eu que a melhor fase da minha vida se iniciaria ali. O hospital A C Camargo se tornou o meu lugar de cura. Proibida de engravidar pelos próximos cinco anos, adotou Leonardo, seu maior amor e a opção definitiva pela luta pela vida, além da empresa”, conta.

E depois dessa experiência, dá algumas dicas a quem passa pelo mesmo problema.

“O melhor dia para mudar a sua vida, tomar decisões e aceitar quem você é, é hoje. Não deixe nada para amanhã. Não leve tudo tão a sério. A vida pode ser mais leve, ela é rara. Faça escolhas pequenas e curtas, não pense em tão longo prazo. Perder as mamas é mesmo uma mutilação, uma dor profunda que vai te assombrar por muito tempo, mas olhar para o seu novo corpo e ver a vida que há em você é a chance de transformar a sua existência. Agradeça a oportunidade que a vida te deu, de parar um pouco em meio à correria do dia a dia para olhar para você, seus sentimentos, seus medos, sua dor, de acolher-se em seu próprio colo, chorar e depois sorrir de gratidão. Aproveite esse tempo para transformar. Entenda que a sua vida nunca mais será a mesma, mas ela pode ser muito melhor! Essa pode ser uma visão romantizada, afinal, eu chorei muito, litros e litros de lágrimas, mas assim descobri que meu novo eu era melhor que o anterior. Seja bem-vinda a essa nova vida”.