Categorias Datas

AGNELO VAI, SUA OBRA FICA

Publicado em

Um dos publicitários mais importantes da história moderna do setor no Brasil morreu neste feriado em São Paulo

Agnelo: cases memoráveis

Carioca quase mineiro, Agnelo Pacheco chegou a São Paulo em 1976 para assumir o comando criativo da extinta Norton. Nesses 40 anos construiu uma grande história na propaganda brasileira, com prêmios e cases ainda hoje na lembrança do público. Agnelo Pacheco faleceu na madrugada desta quinta-feira aos 71 anos de idade.

Nascido em Miguel Pereira, no Rio de Janeiro, se criou entretanto em Belo Horizonte, onde começou a sua carreira publicitária no escritório local da Norton, como redator júnior.

Nessa mesma agência consolidou sua criatividade até fundar, em 1985, sua própria agência.

Entre os inúmeros trabalhos que realizou destacam-se o primeiro merchandising na TV para Hope na novela Roque Santeiro e o lançamento do tênis All Star no Brasil com a cantora Tina Turner.

Cartaz no Minhocão: acidente de trânsito

Agnelo também inovou na mídia exterior ao veicular no elevado Costa e Silva, o conhecido Minhocão, em São Paulo, um outdoor gigante com modelo de lingerie, acusado por motorista encantado como causador de acidente de trânsito.

Para esse mesmo cliente chegou a criar uma inusitada campanha para a linha de cuecas, jamais veiculada. Anúncio era ilustrado por Roberta Close, ainda trans, com a frase “Se eu fosse homem só usava Mash, a cueca do homem de verdade”.

Entre os clientes atendidos pela sua Agnelo Pacheco Comunicação estão a antiga Telesp, lançando o serviço de telefone celular com campanha estrelada por Jô Soares, Nossa Caixa, Ministério da Saúde, para o qual resgatou o Zé Gotinha nas campanhas de vacinação, Playcenter, com quem lançou as Noites do Terror, e mais recentemente a Fisk escola de idiomas.

Ganhou o primeiro Clio Awards para a publicidade brasileira com um filme para Pneus Tropical. Em 1988 conquistou seu primeiro Leão em Cannes com o comercial “Fale com ele, Elisabeth”, para a Telerj. Também é de sua autoria o slogan “Tomou Doril, a dor Sumiu”, ainda repetido nas ruas como bordão popular.

Deixou a Norton em abril de 1985 para fundar a então Agnelo Pacheco Criação & Propaganda, agência até hoje atuante com escritórios em São Paulo. Brasília e Rio de Janeiro.

Assista abaixo Videoblog que gravamos com Agnelo Pacheco em agosto de 2010, com produção da Other Side Brasil, coordenação de Osnir Angelo e direção de Lilian Mendes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *