Categorias Produtoras

APRO QUER SUA PARTE NO STREAMING

Publicado em
Schmidt: receita equivalente

Paulo Schmidt, empossado na presidência da APRO no último mês de agosto, antecipa a agenda da entidade para reivindicar participação das produtoras associadas na receita do streaming publicitário. Conforme matéria publicada neste Blog em 18 de setembro, esse modelo de entrega digital de comerciais já representa 40% do volume de mercado e deve crescer ainda mais em 2016. Diante dessa realidade, a Associação Brasileira da Produção de Obras Audiovisuais vai convocar as três empresas do setor que atuam no país, Adstream, A+V Zarpa e AdTook, para tentar um acordo. “Estamos redefinindo novas pautas de atuação e talvez seja o momento de retomar o diálogo com as empresas de streaming. Aproveitamos este espaço para convidá-las para uma conversa no próximo mês de outubro. Acreditamos que podemos construir um modelo de negócios que garanta às produtoras os seus direitos e responsabilidades pela entrega e, logicamente, receitas equivalentes ao trabalho executado” afirma Schmidt. Ele reconhece que desde o início da implantação desse sistema, as produtoras não fizeram mais do que reclamar da perda de receita com cópias. Enquanto isso, o streaming foi conquistando espaço e ganhando adesão de anunciantes e emissoras. “A eliminação da cópia física e a simplificação da operação, porém, não exclui a responsabilidade e a obrigação da produtora de acompanhar e entregar a obra publicitária. Além disso, ela tem a garantia legal, que lhe atribui direitos por qualquer reprodução, inclusive cópias”, diz ele. “Também sou a favor da eliminação da entrega física e defendo a transmissão digital. É difícil contestar e questionar o quanto a evolução tecnológica vem transformando a forma de produzir e entregar”, reforça. “Não se trata, portanto, de resistir e considerar perda de receitas, como afirmou Celso Vergeiro, o CEO da Adstream Brasil. As produtoras primam pela qualidade e querem ter certeza de que a entrega seja eficiente. Afinal, produzir um filme publicitário, além de exigir muitos recursos financeiros, envolve talentos e profissionais que se dedicam, com muita alma, para resultar no melhor filme possível. Não podemos correr riscos”, defende Schmidt. Para ele, os associados da APRO entendem que as empresas que estão operando streaming no mercado brasileiro deveriam estar alinhadas e prestando serviços também para as produtoras. “Elas não podem entregar um produto que não lhes pertence e muito menos foram autorizadas para isso”, reclama.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *